Carlos Ranniere

Com uma rotina de muitas viagens, a corrida foi a forma que encontrei de me manter ativo praticando algum esporte. Basta um tênis e uma rua, ou uma esteira, e pronto. Além disso, seria uma ótima maneira de conhecer as cidades em que eu estaria.
Com o passar do tempo fui descobrindo novos prazeres com a corrida e, principalmente, descobri que correr era a minha forma de meditar. Quando corro, me desconecto dos problemas diários. Relaxo e me concentro no movimento do corpo e na minha respiração. Não tem celular, não tem música, nada. É aquele momento só meu comigo mesmo.
Corro com certa regularidade desde 2006 mas foi em 2016, às vésperas de completar 40 anos, que decidi que correria uma maratona. E a estreia foi em Buenos Aires. Desde então tenho corrido uma maratona por ano além de diversas meias-maratonas e provas de 10km.
Nos últimos meses comecei a buscar alguma motivação a mais para correr. Sentia que precisava dedicar todo meu esforço a alguém que precisava. Queria correr por uma causa. Comecei a pesquisar na internet e redes sociais e descobri o Team Phenomenal Hope. Comecei a ler e vi que seria com essa equipe que eu buscaria essa motivação.
Agora estou aqui, correndo e perdendo o fôlego por todos os pacientes.